segunda-feira, 7 de Abril de 2014

Um pequeno-almoço de Domingo

Ao Domingo sabe bem acordar mais tarde. A certeza que não há nada de extraordinário para fazer, dá-nos um gostinho delicioso de poder ficar na cama e a preguiça arrasta-nos para um sono já fora de horas. E assim, quando os olhos se abrem, já com o dia entra resplandecente pela janela. O Sol, com os seus raios carregados de luz, transmite um calor tão único que apetece logo sair dali e ir a correr observá-lo de mais perto, ainda que a noção da distância seja uma mera questão retórica. E, um Domingo assim merece um pequeno-almoço especial, com scones barrados com manteiga e uma jarra de flores para acompanhar.

Scones de buttermilk com maple syrup 


Ingredientes:
(para cerca de 16 scones)

425 gramas de farinha com fermento
2 colheres (sopa) de açúcar demerara
225 gramas de margarina, fria, cortada em cubos
175 ml de buttermilk
175 ml de maple syrup
1 gema

Fiz assim:
Aqueci o forno a 200º. Numa tigela, deitei a farinha e o açúcar e emvolvi. Acrescentei a margarina e misturei com as pontas dos dedos, até obter uma mistura areada. Misturei o buttermilk com o maple syrup noutra tigela  e, depois juntei-os à massa. Envolvi com um garfo até formar uma massa leve. Polvilhei a bancada com farinha e coloquei ali a massa. Formei bolas de massa e espalmei-as, obtendo círculos de cerca de 1 centímetro de espessura. Coloquei-os num tabuleiro, forrado com papel vegetal e pincelei-os com a gema batida. Levei ao forno cerca de 20 minutos, ou até estarem douradinhos. Retirei do forno e deixei arrefecer sobre uma rede. Servi, barrados com manteiga.


Uma óptima forma de começar o dia.


Espero que gostem e experimentem.
E não se esqueçam de espreitar a página do Sonhos no facebook!


Desejo-vos um semana cheia de sol!






___

quarta-feira, 2 de Abril de 2014

Porco no tacho e as flores que a vida nos dá

Já estamos em Abril. Parece incrível porque ainda foi no outro dia que celebrámos o Natal e agora já andamos a pensar nos preparativos da Páscoa. O tempo corre e não espera por ninguém. Uma das coisas que gosto em Abril é poder ter este novo horário e saber que, cada vez que avançamos mais no calendário, os dias vão ficando maiores e isso dá-me um ânimo diferente. Chegar a casa e ainda ter luz natural para poder fazer as coisas é muito bom: dá aquela sensação agradável que o tempo rende. A parte chata é que este Abril entrou carregado de chuva, daquela que parece não nos querer deixar. Depois dos dias tão deliciosamente primaveris de meados de Março, parece que voltámos ao Inverno. Não só com chuva mas também com algum frio à mistura.
É aborrecido ver o dia lá fora e não poder sequer ir à varanda ver as flores que começam agora a desabrochar. A estrelícia coitada, mal mostrou os tons alaranjados, foi logo fustigada com ventos e chuva, o que me deixa a pensar que não vai resistir muito tempo à intempérie.
Resta, por isso, aproveitar o tempo para fazer algumas arrumações dentro de casa e preparar o jantar, com a certeza que ainda o vamos conseguir saborear sem recorrer à luz artificial. Porque temos que aproveitar as flores que a vida nos dá, mesmo que jardim não seja perfeito. Há-de chegar a Primavera.

Febras de porco recheadas com farinheira


Ingredientes:
(para duas pessoas)

4 febras de porco
1/2 farinheira, sem a pele
1 colher (sopa) de vaqueiro para porco
1 decilitro de tomate triturado
2 decilitros de cerveja
Sal e pimenta



Fiz assim:
Temperei as febras com sal e pimenta e dividi por elas a carne da farinheira. Enrolei a carne e prendi-a com palitos, de modo a ficar bem fechada. Levei um tacho ao lume com a margarina até derreter. Acrescentei os rolinhos de carne e deixei alourar de ambos os lados. Refresquei com a cerveja e adicionei o tomate. Tapei e deixei cozinhar até a carne estar tenra e o molho reduzir, o que demorou cerca de meia hora. Servi acompanhado com batatas fritas.



Esta carne fica muito saborosa e suculenta. A farinheira, de aromas intensos, nem sempre é do agrado de todos mas cá em casa, felizmente, todos gostamos.



Espero que gostem e experimentem.
E não se esqueçam de espreitar a página do Sonhos no facebook.
Desejo-vos um dia fantástico!



___

segunda-feira, 31 de Março de 2014

Caixinhas de pão para dias de chuva

A chuva voltou para nos atormentar. Ontem ficámos todo o dia presos em casa, devido à intempérie que se abateu sobre um Domingo em que também nos tiraram uma hora. Eu até gosto desta hora dita de Verão: anoitece mais tarde, o que permite chegar a casa com a luz do dia, como que a dizer-nos que ainda não é tarde. E, sendo dia de descanso, proporcionava-se um passeio para ver a noite chegar. Mas, com tanta chuva, apetece mais ficar em casa e fazer um lanchinho de forno, para ser saboreado, ainda a fumegar.

Ovos no forno em caixinhas de pão


Fiz assim:
Retirei a côdea a duas fatias grandes de pão saloio e forrei dois ramequins (untados com margarina) com elas. Levei uma frigideira anti-aderente ao lume e salteei quadradinhos de chouriço até ficarem douradinhos e estaladiços. Dividi o chouriço pelos ramequins e, por cima coloquei dois ovos. Acrescentei uma colher (café) de natas, folas de tomilho e uma pitada de sal. Barrei as pontas do pão com margarina e levei ao forno bem quente, durante cerca de 15 minutos, até a clara de ovo ficar firme, mas a gema ligeiramente líquida.


Estes ovos ficam uma delícia. O pão, ligeiramente humedecido por dentro e, simultaneamente, estaladiço por fora, fica com uma textura muito agradável, a contrastar com a cremosidade do ovo. O chouriço e o tomilho intensificam os sabores, conjugando-se perfeitamente.


Espero que gostem e experimentem. E tenham uma semana deliciosa.



___

terça-feira, 11 de Março de 2014

Um creme delicioso da cor da Primavera

Será que a Primavera tem cor? Quando era pequena, desenhava a Primavera de todas as cores, do tom mais belo que nos é oferecido pelas flores, que agora começam a surgir nos campos, alegrando-os, embelezando-os. A Primavera era da cor do Sol, da cor do mar e tão verde quanto as folhas da árvore mais frondosa podem ser. A Primavera era branca, da cor que pintava as cerejeiras nesta altura do ano e, vaidosa, vestia-se da cor dos pássaros, que entoavam os mais doces cantos e bailavam graciosamente, ao ritmo da sua própria melodia. E, como que por magia, são todas estas cores que vejo hoje, ao olhar pela janela: o dia lá fora cheio de luz e calor. Porque a Primavera, que sempre me habituei a pintar, já chegou. E veio no seu vestido mais belo e reluzente. É tão bom recebê-la de braços abertos e perceber que hoje, neste dia do meu aniversário, podemos vê-la, senti-la e saboreá-la. Sorridente e deliciosamente convidativo, assim está o dia. É como se tivesse sido pintado com as mais belas cores da Primavera! Da minha Primavera! Porque a Primavera pode ter as cores que lhe quisermos dar... e hoje apeteceu-me pintá-la num tom amarelo-maracujá.
E dar-lhe este magnífico sabor!

Curd de maracujá


Ingredientes:

250 gramas de polpa de maracujá (usei 2 maracujás amarelos)
120 gramas de açúcar
100 gramas de margarina
1 pitada de sal
Sumo de limão (algumas gotas)

Fiz assim:
Juntei todos os ingredientes no copo de bimby (retirei a maior parte das sementes dos maracujás) e programei 10 minutos, na velocidade 4, temperatura 90º. Retirei e deitei em frascos esterilizados. Depois de arrefecer, fechei bem os frascos e reservei no frigorífico até ao momento de utilizar.


Para rechear tartes ou saborear com biscoitos, este creme fica delicioso e muito aromático. Fi-lo para utilizar no próximo fim-de-semana, numa tarte para levar à mesa da celebração dos nossos aniversários que, por curiosidades de calendário, são separados por quatro dias e, por isso, temos optado por festejá-los juntos. 


Espero que gostem e experimentem.
E não se esqueçam de passar na página do Sonhos no facebook.


Desejo-vos um dia fantástico.




___

segunda-feira, 10 de Março de 2014

Natas cozidas e a chegada da Primavera

Os dias de mudança têm dado cabo de mim. Ando com dores terríveis nos pés e nas pernas e não há massagens que aliviem estas maleitas. O fim-de-semana surgiu em boa hora e serviu, decisivamente, para o descanso semanal. Mas, para compensar as alterações impostas, a mudança melhor tem sido os dias de Primavera, que chegou de mansinho, para enganar o nosso calendário, de uma forma deliciosa. O Sol e o calor têm aquele condão divinal de fazerem melhorar quaisquer tristezas que se possam abater sobre nós. Claro que há coisas que não se esquecem só porque o bom tempo finalmente chegou mas convenhamos que não ter de encarar a chuva num dia que já sabemos que nos reserva alguns aborrecimentos, consegue, de certa forma, dar-nos algum alento.
E então ter um fim-de-semana inteirinho com a Primavera a entrar-nos pelas janelas adentro, é um como ver um sonho a tornar-se real, principalmente depois de tantos dias em que a chuva fez questão de nos deixar cabisbaixos e neuróticos. E se só isto não fosse razão, podia dar muitas mais para a vontade imensa de saborear uma sobremesa fresquinha. Daquelas que apetecem tanto nos dias  quentinhos e já tão saudosos de Primavera, mesmo que esta seja um engano de calendário.

Panna cotta de baunilha com molho de frutos vermelhos


Ingredientes:

300 gramas de leite meio gordo
200 gramas de natas frescas
100 gramas de açúcar
1 colher (café) de baunilha em pó
1 saqueta de cuajada

Para o molho:
120 gramas de groselhas
100 gramas de mirtilos
2 colheres (sopa) de açúcar
1 decilitro de água

Fiz assim:
Juntei todos os ingredientes no copo da bimby e programei 7 minutos, na velocidade 4, à temperatura de 90º. No fim do tempo, distribuí o preparado por tacinhas e deixei arrefecer. Levei ao frigorífico até solidificar. Entretanto preparei o molho: levei uma caçarola ao lume com a água e o açúcar até este derreter. Juntei, depois os frutos e deixei ferver, até a fruta desfazer e o molho apresentar alguma consistência. Triturei com a varinha mágica e reservei num frasco esterilizado. depois de arrefecer reservei no frigorífico, até servir. Desenformei os pudins e servi com o molho.


É um hábito ter sempre cá em casa estas baguinhas com sabores tão característicos. Quer sejam frescas ou congeladas, fazem molhos e sobremesas perfeitas. E são tão agradáveis de comer, também assim, ao natural. Adoro panna cotta e a cuajada dá-lhe uma consistência óptima. O contraste com a fruta ligeiramente ácida confere-lhe um toque delicioso.


Espero que gostem e experimentem.
E não se esqueçam de passar na página do Sonhos no facebok.
Tenham uma semana deliciosa.




___

segunda-feira, 3 de Março de 2014

Um miminho doce para um Domingo chuvoso

O Domingo de Carnaval ficou marcado pela chuva. Sem desfiles, pelo menos numa expectativa de voltarmos secos, resta-nos ficar por casa e preparar uma sobremesa para nos deliciar no fim do almoço. Ou durante a tarde. O leite creme faz parte da minha infância e, por isso, é sempre bom voltar a saboreá-lo e reviver esses momentos, quando rapava a panela dos restos que por lá ficavam e me deliciava, como se fosse o melhor dos néctares. Esta receita sai sempre bem e é uma delícia.

Leite creme de baunilha
(adaptado do livro base da bimby)


Ingredientes:

800 gramas de leite
200 gramas de natas
200 gramas de açúcar
40 gramas de amido de milho
6 gemas 
1 colher (café) de canela
1 colher (café) de baunilha em pó

Fiz assim:
Coloquei todos os ingredientes no copo da bimby e programei 10 minutos, na velocidade 4, a uma temperatura de 90º. No fim do tempo, deitei o preparado em taças e deixei arrefecer totalmente. Polvilhei o creme com açúcar e levei ao forno, na função grelhador para queimar. Retirei e, depois de frio levei ao frigorífico até servir.


Um doce excelente para superar um fim-de-semana protagonizado pela chuva.


Espero que gostem e experimentem!
E não se esqueçam de espreitar a página do Sonhos no facebook, onde está a decorrer um Giveaway, em parceria com as More than Cookies. Passem por lá e participem!
Uma semana deliciosa para todos.




___

sexta-feira, 28 de Fevereiro de 2014

Porco no tacho com um aroma convidativo

Já não é a primeira vez que faço bochechas de porco cá em casa. Gosto de lhes juntar vinho tinto, porque lhes  confere um sabor extraordinário. Fica com um perfume e aroma deliciosos, diferente dos estufados habituais. Mas desde a primeira vez, fiquei irremediavelmente rendida e, a partir daí, tenho feito várias vezes. Mais esporadicamente do que gostaria, é certo, porque nem sempre encontro esta carne no talho mas, de qualquer forma, sempre que faço, sei que é um sucesso garantido. Cá em casa adoramos.

Bochechas de porco com vinho tinto


Ingredientes
(para duas pessoas)

3 ou 4 bochechas de porco
1 colher (sopa) de banha
1 cebola, cortada em meias luas
1 dente de alho, picado
1 folha de louro
1 colher (sopa) de tomate triturado
2 decilitros de vinho tinto
3 decilitros de caldo de carne

Fiz assim:
Num tacho largo, levei a banha ao lume e deixei aquecer muito bem. Acrescentei a carne para selar rapidamente, de ambos os lados, evitando assim a perda dos próprios sucos. Juntei, depois a cebola, o alho e a folha de louro e deixei fritar um pouco. Adicionei o tomate, o vinho e o caldo e, depois de levantar fervura, reduzi o calor e deixei cozinhar lentamente, durante cerca de 1 hora e 30 minutos, ou até a carne se apresentar tenra e suculenta. Servi com puré de batata.


Espero que gostem e experimentem.
E não se esqueçam de passar pela página do Sonhos no facebook.


Desejo-vos um fim-de-semana fantástico.



___

segunda-feira, 24 de Fevereiro de 2014

Muffins para acompanhar o chá numa tarde de Domingo

Os Domingos de Inverno pedem sempre um bolinho para acompanhar o chá, durante a tarde. Ontem, o Sol acompanhou-nos e foi um mote para dar um passeio no parque que infelizmente, não se prolongou muito, tendo em conta a ventania insuportável, que se sobrepunha em larga escala ao calor que o astro-rei nos poderia proporcionar. No regresso, fui apressada para a cozinha, preparar um lanchinho, para aquecer as mãos enregeladas. Apesar do vento, o varanda abrigada permitiu-nos voltar à rua para saborear o lanche. No tabuleiro, vinham também uns deliciosos muffins, ainda morninhos, com mirtilos a revelarem-se aos olhares esfomeados.

Muffins de mirtilos


Ingredientes:
(para cerca de 12 bolinhos)

1 e 1/2 chávenas de farinha com fermento
1/2 chávena de açúcar
1/2 chávena de natas ácidas
1/2 chávena de margarina derretida
3 ovos pequenos
1 colher (sobremesa) de essência de baunilha
100 gramas de mirtilos


Fiz assim:
Liguei o forno a 170º. Juntei todos os ingredientes (excepto os mirtilos) numa taça e bati com a batedeira até ficar tudo muito bem misturado. Dividi o preparado pelas formas de muffins e, distribuí os mirtilos pelas formas. Levei ao forno para cozerem, durante cerca de 20 a 25 minutos, até estarem douradinhos. Retirei do forno deixei arrefecer ligeiramente antes de servir, com um chá quente.


Muito fáceis de preparar, estes queques são igualmente deliciosos. Ficam muito bem com framboesas ou amoras e ainda servem para levar para o trabalho, durante a semana. Se conseguirem fazê-los durar até lá...


Tenham uma semana deliciosa!
E não se esqueçam de ir espreitar a página do Sonhos no facebook.


Espero que gostem e experimentem!




___

quarta-feira, 12 de Fevereiro de 2014

Uma tosta para acompanhar a sopa do jantar

A chuva e o vento que se têm feito sentir nestes dias, são propícios a jantares quentinhos e reconfortantes. As sopas surgem em primeiro lugar, nas opções que nos saciam em noites assim. Mas só sopa, parece sempre pouco, por isso, ontem aproveitei para fazer uma tosta de pão saloio. A crosta estaladiça, o queijo curado, derretido, a escorrer para fora do pão e a frescura do tomate, foram a combinação escolhida. Excelente opção! Ficou uma delícia!

Tosta mista de pão saloio com queijo curado da Gardunha e tomate 


Fiz assim:
Cortei duas fatias de um pão saloio grande. Untei uma das fatias com um fio de azeite e dispus, sobre este, algumas rodelas finas de tomate. Polvilhei com orégãos e cobri com duas fatias de fiambre. Acrescentei três fatias de queijo curado da Gardunha e cobri com a outra fatia de pão. Levei a tostar até o queijo derreter e o pão estar bem douradinho. 


Espero que gostem e experimentem.


E não se esqueçam de passar pela página do Sonhos no facebook.
Desejo-vos um dia fantástico.




___

segunda-feira, 10 de Fevereiro de 2014

Lanches para tardes de derby... que não se realizam

Como se previa, o fim-de-semana não foi propício a grandes passeios, principalmente ontem de manhã, quando um temporal medonho se abateu sobre Lisboa. Depois, durante a tarde o pandemónio voltou e um jogo de futebol, que é sempre motivo de reuniões familiares cá em casa, nem sequer se realizou. Mas lanche, isso houve. E, nestes dias, sabe bem ir para a cozinha e preparar comida de forno, que aquece a casa e transforma a mesa em lugar de partilha, riso e muita conversa. Desta vez o lanche surgiu em forma de tarte de massa filo. Os espinafres tinham sido já cozinhados e, posteriormente, congelados, pelo que foi uma boa oportunidade para os utilizar.

Tarte de massa filo com ricota e espinafres


Ingredientes:

4 folhas de massa filo
Margarina derretida
1 embalagem de ricota
1/2 molho de espinafres, cozidos e picados grosseiramente
3 ovos, batidos
1 haste de endro fresco, picada
1 fio de azeite
1 dente de alho, picado
Sal e pimenta

Fiz assim:
Liguei o forno a 200º. Levei uma frigideira ao lume com um fio de azeite e o alho até aquecer. Acrescentei os espinafres e deixei saltear. Retirei do lume e acrescentei o queijo. Envolvi tudo e temperei com sal e pimenta. Preparei uma tarteira com massa filo, untando cada uma das folhas com margarina e sobrepondo-as. Por cima coloquei o preparado de ricota e espinafres. Temperei também os ovos com sal e pimenta e juntei-os na tarteira. Polvilhei com o endro e levei ao forno, durante cerca de 15 a 20 minutos, até o ovo solidificar mas sem secar demasiado. Retirei do forno, desenformei e servi.


Uma tarte muito aromática e com um sabor muito agradável. A textura macia e cremosa do recheio contrastam de forma deliciosa com a massa crocante.


Espero que gostem e experimentem.
E não se esqueçam de espreitar a página do Sonhos no facebook.


Desejo-vos uma semana deliciosa.



___